Voltar à lista

Laura A. Cole

« Forbrain teve um aumento significativo na autoidentificação de erros de discurso »

O meu nome é Laura Cole e sou terapeuta da fala há mais de 20 anos, trabalho há 16 anos numa clínica pediátrica privada que tem ao dispor serviços de terapia da fala, ocupacional e física.

Conheci o Forbrain á cerca de um mês atrás, através de um paciente meu de 16 anos, cuja mãe o obteve para este trabalhasse a consciência da articulação, tom e diminuição da intensidade da voz. Fiquei bastante intrigada pelo Forbrain quando o coloquei em mim própria. Apesar de estar bastante familiarizada e ao corrente do conceito de condução óssea, foi mesmo assim surpreendente, como o meu discurso foi amplificado e tão nítido via vibrações do som através da condução dos auscultadores. Também fui capaz de ouvir o meu respirar. Quando fiz os meus colegas (outros terapeutas) experimentarem os auscultadores, o seus olhar expandiu-se e também eles comentaram como realmente aumentava o seu discurso e articulação, apesar de não usarem auscultadores de condução de ar mais tradicionais.

Estou a utilizar o aparelho Forbrain há aproximadamente 2 semanas, primariamente com os meus pacientes com objetivos fonéticos e de articulação, objetivos de diminuição de velocidade de discurso, e objetivos de diminuição de intensidade vocal. As atividades usadas incluem momentos de estimulação focada, atividades de narração de história, tarefas de leitura relacionada, e atividades de discurso gerais. Dos cinco pacientes em que usei Forbrain, todos eles demonstraram expressões faciais de surpresa quando os auscultadores eram colocados e lhes era pedido para falarem. Adicionalmente, cada um deles demonstrou imediatamente o decréscimo do seu ritmo de discurso e da intensidade/volume vocal. Descobri que o uso de Forbrain tem um acréscimo significativo na autoidentificação de erros do discurso durante atividades de generalização: um paciente aumentou a sua auto-identificação, seguida da correção de erros por 60% (isto ocorreu depois da primeira vez que o meu paciente usou o dispositivo).

Em adição às mudanças positivas na articulação, ritmo, volume e identificação do erro com correção, aprecio o conforto dos auscultadores quando os uso. É muito leve e o facto de ser sem fios permite também um maior conforto. O único “senão” que notei até agora é que cada um dos meus pacientes tende a brincar com o microfone: sinto que isto não é um aspeto negativo relativo à Forbrain, mas sim a idade dos meus pacientes leva-os a querer brincar com ele.

“Recomendo fortemente o uso de Forbrain para a intervenção da fala/linguagem nos pacientes com distúrbios de articulação/fonológicos e com desafios suprassegmentais da linguagem. Ainda não tive a oportunidade de o usar para abordar a memória e processamento, no entanto suspeito que também será altamente benéfico para esses aspetos.”


Laura A. Cole, M.S., CCC-SLP

Speech-Language Pathologist
Sovereign Pediatric Therapy
1315 Macom Dr. Suite 103, Naperville, IL 60564
Ph. 630-585-7337 • Fx. 630-585-7333
www.sovrehab.com

Para obter mais informação acerca do trabalho de Laura A. Cole, veja a sua apresentação no Working with Progressive Language Disorders: http://dementia.ie/images/uploads/site-images/Laura-Cole.pdf